Ruth Rocha na BVL

2

Neste sábado, 20 de dezembro, a escritora Ruth Rocha foi a convidada do primeiro Segundas Intenções promovido pela nova Biblioteca Parque Villa-Lobos. O programa, todos os meses, trará um escritor consagrado para bate-papo com o público.

“Estou muito comovida de ver mais uma biblioteca aberta, e essa é pura vida”, falou Ruth, ao ser apresentada pela mediadora do encontro, Adriana Couto.

A escritora começou a conversa dizendo que ler é a melhor coisa que existe. “Ler nos abre um mundo novo, nos faz compreender muitas coisas e é uma alegria muito grande.” O primeiro livro que leu foi O garimpeiro do Rio das Garças, de Monteiro Lobato, um livro que, segundo a autora, esteve sumido por muitos anos. “Eu li tudo dele quando era criança, depois li também sua obra adulta”, falou.

Mas sua paixão pela leitura veio por causa do avô paterno, que era um grande contador de histórias. “Ele contava histórias de todo o mundo, quando chegava na nossa casa era uma festa! Depois de adulta que fui descobrir que o que ele contava eram as histórias dos Irmãos Grimm, das Mil e Uma Noites…”.

Depois, já formada em Sociologia, Ruth trabalhou em uma biblioteca escolar, como atendente, indicando livros para crianças. “As crianças ficavam em torno de mim e até hoje encontro pessoas que falam que aprenderam a gostar de ler depois que eu indiquei um livro a elas”, contou.

O início como escritora se deu por sugestão de uma amiga, que a trancou em casa para força-la a acreditar que podia sim escrever uma história para crianças. “Eu contava histórias bem diferentes para a minha filha, que sempre foi muito perguntadeira. Ela queria saber qual era a história do cinzeiro, qual a história do copo, e essa minha amiga achou que eu levava jeito. Hoje, escrever é a minha missão, eu gosto de escrever para as crianças.”

O público, formado por crianças e adultos, participou ativamente com perguntas. Os adultos queriam saber como incentivar os filhos a lerem: “Fale com a criança, converse com ela, exponha-a ao som do texto, cante, faz muito bem perguntar e ouvir o que elas têm a dizer. É preciso também prezar um certo silêncio em casa, porque TV ligada o dia inteiro não estimula ninguém a ler. Depois precisa ver se ela está bem alfabetizada e, principalmente, dar o exemplo. Contar histórias, ler livros, ter livros em casa, ir com a criança em uma livraria e deixá-la escolher um livro”, sugeriu.

Já as crianças e jovens queriam saber qual era o livro favorito dela, como ela começou a ler, quem era o Marcelo [do livro Marcelo, marmelo, martelo], se ela autoriza adaptações de suas obras para o cinema, entre outras perguntas.

O palhaço Quincas, já ao final, entrou no bate-papo para recitar um poema escrito por Ruth Rocha:

 

São duas crianças lindas
Mas são muito diferentes!
Uma é toda desdentada,
A outra é cheia de dentes…

Uma anda descabelada,
A outra é cheia de pentes!

Uma delas usa óculos,
E a outra só usa lentes.

Uma gosta de gelados,
A outra gosta de quentes.

Uma tem cabelos longos,
A outra corta eles rentes.

Não queira que sejam iguais,
Aliás, nem mesmo tentes!
São duas crianças lindas,
Mas são muito diferentes!

 

“É muito gratificante cada vez que venho encontrar vocês, leitores, e tenho esse retorno, de perceber como minhas histórias se alastram”, falou, emocionada.

 

Confira galeria:

Compartilhe

2 Comentários

  1. Pena que perdi a presença da Ruth Rocha na biblioteca… Tenho dois fans dela aqui em casa. Meu filho estudou a autora no ano passado e minha filha estudará este ano. Gostaria que ela viesse novamente para que possamos conhece-la pessoalmente e ter pelo menos um de seus livros autografados.

    Aproveito para dar os parabéns pela linda biblioteca, só tenho a agradecer, sem vocês não poderia ler uma nova estória a cada dia para meus filhos. Nossas férias foram bem produtivas no quesito leitura! Obrigada! bjs

Deixe um Comentário

catorze − dois =