Curso de Literatura de Cordel

0

A Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL) promoveu nesta quarta-feira, 9 de abril, a primeira aula do Curso de Literatura de Cordel. Ministrado pelo pesquisador e diretor teatral Luiz de Assis Monteiro, o objetivo é realizar uma introdução sobre o tema, além de incentivar os alunos a criar seu próprio cordel. Ao todo são dez encontros, até o dia 10 de junho.

Monteiro definiu a literatura de cordel como uma poesia popular, “em que o poeta canta suas histórias em um formato épico.” A primeira parte da aula foi um panorama histórico e humanístico, que discutiu o papel da arte na sociedade, o que é poesia, a definição do conceito popular, as diferenças entre conteúdo e forma.

Depois, a primeira aula do curso avançou definindo características do cordel: uma temática próxima da realidade do povo, linguagem simples e direta, produção manual e distribuição feita na base do boca a boca. Também foi falado sobre algumas das regras que existem para o cordel. Entre elas, o formato rimado, que pode ser em quadra (quatro versos), sextilha (seis versos), sétima (7 versos) e décima (10 versos).

Monteiro explica que sua companhia, a Confraria da Paixão, foi criada para pesquisar o teatro popular e a cultura brasileira. Ao todo, já montou 21 espetáculos, sendo nove deles dedicados a literatura de cordel. Ao longo da vida, o autor já publicou 50 folhetins de autoria própria e dois livros sobre a história deste formato. “A elite nos ensinou os seus valores e não a arte popular. É como se estivesse negando ao povo a sua sensibilidade. Meu trabalho tenta jogar luz sobre essa cultura, que é rica e bem diversa”, finalizou.

Compartilhe

Deixe um Comentário

três + doze =